Fórum já tem resultados concretos: mais de R$ 1 milhão investido em negócios

//Fórum já tem resultados concretos: mais de R$ 1 milhão investido em negócios

Fórum já tem resultados concretos: mais de R$ 1 milhão investido em negócios

Dos 81 empreendimentos mapeados pela chamada de negócios de impacto realizada este ano pela PPA, 15 foram selecionados como finalistas e participaram de apresentações rápidas dos negócios a investidores (pitchs) e de uma rodada de negócios durante o FIINSA.

Ao todo, foram investidos mais R$ 1 milhão em startups, negócios de base comunitária e empresas com impacto socioambiental. Quatro negócios em estágio mais avançado, que buscavam investimentos para expansão e ganho de escala, receberam R$1,1 milhão por meio de uma rodada de negócios em estilo shark tank.

Os outros empreendedores finalistas ganharam a oportunidade de participar do Programa de Incubação e Aceleração da PPA e concorreram ao Prêmio Empreendedor PPA 2018. Durante o FIINSA, eles apresentaram seus negócios a uma banca de especialistas, que selecionou as melhores iniciativas. Quatro deles receberam o Prêmio, totalizando R$ 60 mil.

A Manioca, uma das empresas a participar da rodada de negócios, é uma indústria gastronômica criada em 2014 baseada em três ideias: trabalho com ingredientes da Amazônia, produtos 100% naturais e promoção do comércio justo junto a produtores, comunidades, cozinheiros e todos que são a base da culinária paraense. Os recursos obtidos serão empregados em capital de giro, plano de comunicação, marketing e expansão do mercado.

A Peabiru Produtos da Floresta compra mel e colmeias de agricultores familiares, cuidando da logística, beneficiamento, venda e pós-venda. Ao mesmo tempo, proporciona renda a agricultores familiares, indígenas, quilombolas e povos tradicionais da Amazônia, e promove maior polinização agroflorestal, restauração ecológica e diminuição do desmatamento. Os recursos obtidos serão utilizados para comercializar cinco tipos de produtos da Amazônia: mel de abelhas, cacau, óleos da Amazônia, farinhas e feijão.

A revitalização da borracha amazônica, gerando renda com inclusão e sem desmatamento, resgatando ao mesmo tempo a identidade seringueira, é o foco da Encauchados de Vegetais da Amazônia, que também participou da rodada de negócios. A iniciativa promove o desenvolvimento e a reaplicação de tecnologia social que transforma o látex nativo em produtos de mercado. Os recursos serão empregados na ampliação da indústria e implantação de unidades financeiras de produção controladas, promovendo extrativismo sustentável.

A Ração + cria rações usando resíduos de frutos e outros alimentos da região, que seriam descartados como lixo, e ajuda a triplicar a produção local de peixes a um custo mais reduzido para os pequenos produtores. A ração é vendida a um valor até 20% mais barato do que no mercado. Os recursos investidos serão usados para aquisição de maquinário, instalações, capital de giro e regularização jurídica e ambiental.

O Prêmio Empreendedor PPA foi concedido aos negócios Broto (que visa atender a demanda da automação para a hidroponia por meio de um sistema integrado de sensores, Big Data e mobile, aumentando a produção sustentável junto a produtores entre 40 e 60 anos), Onisafra (plataforma que gerencia a conexão de agricultores com consumidores finais, com pontos físicos para entrega e retirada dos produtos), Sustente Ecosoluções (uso de larvas de insetos para degradar lixo orgânico; as larvas são usadas como alternativa proteica para alimentação animal) e Da Tribu (desenvolve acessórios de moda com tecnologia da floresta – látex – gerando renda para famílias ribeirinhas).

Além disso, os 11 expositores presentes ao FIINSA venderam cerca de R$ 14 mil em produtos, além das conexões e oportunidades de novas parcerias e negócios.

“O nosso ecossistema de impacto ainda é um pouco incipiente. Nós temos alguns bons casos, mencionados e enaltecidos pelo Fórum, mas para que esse ecossistema realmente gere o tipo de mudança esperada e necessária para tornar a Amazônia mais próspera, precisa crescer num ritmo bastante acelerado. Daí a importância do FIINSA, que tem o mérito de abrir a cabeça de mais pessoas para vislumbrar o que é possível no futuro”, avalia Denis Minev, conselheiro da PPA e um dos investidores na rodada de negócios. “Esse é o início de uma conversa com a sociedade, utilizando os recursos disponíveis. Mais à frente devemos ter resultados já mais ligados a investimentos realizados pela PPA, que devem mostrar frutos no próximo ano. ”

2018-11-27T11:05:27+00:00 27 de novembro de 2018|Notícia|0 Comentários

Deixe um comentário