Incubadora da Floresta em amplo crescimento: boas vindas a três empresas sociais

Compartilhar em facebook
Compartilhar em twitter
Compartilhar em linkedin

Lar de 30 milhões de pessoas e uma das regiões com maior biodiversidade no planeta, a floresta amazônica fornece benefícios incomensuráveis para nossos sistemas alimentares e de saúde. Nos últimos 50 anos, cerca de 17 por cento da floresta foi destruída devido ao desmatamento desenfreado e ao desenvolvimento predatório. Vemos, portanto, a importância de conciliar o crescimento econômico com ações ambientalmente responsáveis. 

Através da Incubadora da Floresta, a NESsT irá incubar um portfólio de empresas, cooperativas e associações que atuam em cadeias de valor sustentáveis por meio da bioeconomia, incluindo práticas de manejo e extrativismo florestal, sistemas agroflorestais e beneficiamento de produtos da sociobiodiversidade. 

Em outubro, oficializamos a entrada das três primeiras organizações sociais que farão parte do programa; são elas: 

  • Associação Comunitária Agrícola do Rio Urupadi (ASCAMPA): uma das maiores produtoras de sementes de Guaraná na região de Maués, no Amazonas. A associação adquire guaraná dos agricultores locais e associados, apoiando-os na adoção de técnicas agroflorestais e na transição para práticas orgânicas.  
  • Associação dos Produtores Rurais de Carauari (ASPROC): atende comunidades ribeirinhas da região do Médio Juruá na comercialização de produtos do extrativismo florestal, incluindo pirarucu, farinha de mandioca e açaí. A associação proporciona geração de renda às famílias associadas e ajuda a proteger mais de 1 milhão de hectares de terras florestais. 
  • Associação dos Agropecuários de Beruri (ASSOAB): contribui com a geração de renda de extrativistas do município de Beruri (AM) com a comercialização da castanha-do-brasil desidratada. A associação adquire o produto in natura de mais de 350 famílias coletoras da TIItixi Mitari e RDS Piagaçu-Purus, que abrangem uma área com quase 1,2 milhão de hectares de florestas nativas. 

Outras 2 organizações devem ser anunciadas até o fim de 2021, além das 7 iniciativas econômicas indígenas anunciadas recentemente. 

“A diversidade do nosso portfólio reflete as características únicas da Amazônia. Nosso programa vai contribuir com a geração de renda para os povos da floresta, fortalecendo o comércio justo da castanha, do guaraná e do pirarucu, entre outros produtos da bioeconomia.” explica Marcelo Cwerner,  gerente de portfólio NESsT. 

Viabilizado com o apoio dos parceiros estratégicos USAID, Plataforma Parceiros pela Amazônia (PPA), Erol Foundation, Cisco e CLUA, a Incubadora da Floresta têm o objetivo de melhorar a renda e os meios de subsistência das populações envolvidas com o desenvolvimento sustentável da Amazônia, especialmente das mulheres, e promover melhorias em relação à conservação ou regeneração da floresta 

“Estamos felizes em trabalhar ao lado de parceiros que entendem a importância da floresta em pé. Juntos, apoiaremos iniciativas que trabalham diariamente pela conservação da floresta e em prol de suas comunidades.” comenta Renata Truzzi, Diretora do Brasil.  

Saiba mais sobre o projeto em: ppa.org.br/portfolio