Juruti avança na criação do Observatório de Indicadores para acompanhar o desenvolvimento local

Nos dias 17 e 18 de outubro, foi realizada a primeira oficina com organizações da sociedade civil, privadas e públicas. A ação faz parte do Projeto INGÁ (Indicadores de Sustentabilidade e Gestão na Amazônia).

 

Juruti se prepara para criar seu Observatório de Indicadores, um instrumento de controle social, que buscará observar o desenvolvimento local e criar um espaço de diálogo para executar ações práticas no município com as organizações. Para isso, foi realizada nos dias 17 e 18 de outubro, a primeira oficina com organizações da sociedade civil, privadas e públicas. Esta ação faz parte do Projeto INGÁ.

Na oficina, foram trabalhados  os principais conceitos para a construção de uma plataforma para estruturar o Observatório. Além disso, foram conjuntamente definidos, dentro de atividades em grupos, os objetivos que se pretende alcançar. Também foram definidas  a estrutura de governança e as instâncias de tomadas de decisão, cuja base é composta por instituições do setor privado, público e da sociedade civil. Essa estrutura terá uma coordenação e secretaria executiva para dar seguimento nos trabalhos.

Os participantes da oficina contribuíram, em um ambiente de colaboração, com suas experiências, conhecimentos, ideias e opiniões para formulação de princípios e valores que irão nortear os rumos, a identidade e as ações do Observatório. A próxima oficina será a validação da minuta, com pontos construídos coletivamente.

Segundo Deise Melo, presidente do Instituto Juruti Sustentável (IJUS), o observatório será um espaço que permitirá subsidiar políticas públicas de interesse tanto de empresas como do poder público, já que todos poderão ter acesso aos dados sobre o território. “O Observatório é há muito tempo sonhado por nós, para que pudéssemos colocar em prática os indicadores de Juruti. Para nós, foi muito importante esse momento de participação, porque conseguimos saber o que é um observatório e como ele funciona. Então, vai ser uma ferramenta de grande valia para o nosso município e nossa sociedade. Estamos gratos por essa oportunidade”, enfatizou.

Para a coordenadora de Educação Ambiental da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SEMMA), Cheyenne Pereira, a oficina foi um ambiente de aprendizado. “Nós tivemos uma experiência boa, criativa e positiva para o município. Então, foi uma experiência única que nós vamos levar para o resto da vida e uma experiência profissional para adaptarmos ao nosso município”, sintetizou.

O Projeto INGÁ tem como parceiro o Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB), uma organização com ampla atuação, que abarca todo o território nacional. O facilitador da oficina, Marcos Silva, Analista Socioambiental do IEB, explicou que a estratégia de criação do observatório se concentra em torno dos instrumentos que vêm sendo definidos, como observatórios socioambientais, para fortalecer o tecido social das organizações de base comunitária e da sociedade civil de Juruti.

Para ele, a primeira oficina foi bastante produtiva. “As organizações chegaram a um consenso e foi muito proveitoso. Com certeza, será um grande sucesso, porque tem um grupo engajado e com profundo conhecimento do território e das iniciativas que eles buscam alcançar aqui nos próximos anos”, concluiu.

O projeto Ingá é coordenado pelo IJUS, com investimentos da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID), da Alcoa, do Instituto Alcoa, da Plataforma Parceiros pela Amazônia (PPA), e parcerias do Instituto Vitória Régia (IVR), Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB) e a Aliança Bioversity/CIAT.

 

Sobre o IJUS

O Instituto Juruti Sustentável (IJUS), reconhecido como Organização de Utilidade Pública pelo Governo do Estado. 

O IJUS é um espaço público permanente de diálogo, debate e ação coletiva entre seus associados e a sociedade em geral, que visa contribuir para o desenvolvimento sustentável de Juruti e entorno. O Instituto tem por escopo, também, apoiar financeiramente ações, projetos e programas, reembolsáveis ou não reembolsáveis que integrem aspectos sociais, humanos, econômicos e ambientais, através do Fundo Juruti Sustentável-FUNJUS.

 

Sobre o Instituto Alcoa

Fundado em 1990, no Brasil, o Instituto Alcoa é uma entidade sem fins lucrativos, que tem o propósito de transformar coletivamente os territórios em que a Alcoa está presente – Poços de Caldas (MG), São Luís (MA) e Juruti (PA) – a fim de torná-los mais inclusivos e menos desiguais.

Para isso, o Instituto Alcoa promove iniciativas em educação e geração de trabalho e renda, causas estruturantes para o desenvolvimento de uma sociedade mais justa, além de incentivar a participação social e o diálogo em torno das causas como forma de mobilização para o engajamento. Sua atuação se conecta às políticas públicas e agendas de interesses globais, como os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Sobre a USAID 

A USAID é uma das principais agências de desenvolvimento internacional do mundo e um ator catalisador que impulsiona os resultados do desenvolvimento. A USAID trabalha para ajudar a melhorar vidas, construir comunidades e promover a democracia e o desenvolvimento sustentável nos países onde atua. 

Sobre a PPA 

A Plataforma Parceiros pela Amazônia (PPA) é uma iniciativa de ação coletiva multissetorial que visa desenvolver e identificar soluções inovadoras e tangíveis para o desenvolvimento sustentável e a conservação da biodiversidade, florestas e recursos naturais da Amazônia brasileira. Criada no final de 2017, a PPA busca alavancar investimentos de impacto socioambientais positivos na Amazônia brasileira, compartilhar boas práticas e fomentar parcerias inovadoras que integrem todos os setores da sociedade. Saiba mais em ppa.org.br.

Sobre a IEB

O Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB) é uma associação brasileira sem fins econômicos, sediada em Brasília, fundada em novembro de 1998, com a missão de fortalecer os atores sociais e o seu protagonismo na construção de uma sociedade justa e sustentável. O IEB se destaca no cenário nacional por dedicar-se a formar e capacitar pessoas e fortalecer organizações nos diversos aspectos e temas relacionados ao meio ambiente, desenvolvimento e à sustentabilidade.

Sobre a IIVR

O Instituto Vitória Régia é uma Instituição sem Fins Lucrativos, fundada no dia 06 de novembro de dois mil e dois, sendo sua sede e Foro na cidade de Belém, capital do Estado do Pará. Atualmente essa instituição está qualificada como OSCIP (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público).
O Instituto Vitória Régia foi criado com finalidades Científicas, Tecnológicas e Culturais e atuando principalmente nas questões ambientais, produtivas, educacionais e sociais, e visa estabelecer, através da organização e da formação de grupos de pessoas, medidas estratégicas que viabilizem eventos e ações eficazes na promoção do desenvolvimento sustentável e da melhoria da qualidade de vida.