PPA Solidariedade e Agenda Pública garantem nutrição de 2 mil quilombolas no oeste do Pará

Compartilhar em facebook
Compartilhar em twitter
Compartilhar em linkedin

Por Jóice Denne

Desde o último mês de maio, mais de mil  famílias de remanescentes quilombolas estão isoladas das áreas urbanas da Calha Norte Paraense, para se prevenirem contra o coronavírus nessa região que abrange os municípios de Faro, Terra Santa e Oriximiná, no oeste do Pará.

Segundo a Associação das Comunidades Remanescentes de Quilombos do Município de Oriximiná (ARQMO), a região urbana, em especial do município de Oriximiná, é fundamental para escoamento da produção agrícola dos quilombos. Sem as vendas de produtos quilombolas nas cidades, até o mês de setembro, a maioria da população quilombola estava vivendo somente com caça, pesca e a produção própria de alimentos – que já era feita para abastecer a alimentação escolar dos estudantes das cidade próximas, com a colheita de banana, produção de beiju, mandioca e farinha.

A ARQMO explicou que, sem as vendas de seus produtos, os quilombolas ficaram sem renda para se abastecerem com outros alimentos básicos, como arroz e macarrão. Esses produtos são importantes, mas têm diferentes plantios, são mais difíceis de se produzir de maneira sustentável nas comunidades.

Para colaborar com a sustentabilidade dos quilombolas em seus territórios, a Agenda Pública, com o apoio da PPA Solidariedade, realizou no dia 22 de setembro a  entrega de cestas básicas para complementar a nutrição nos quilombos da Calha Norte Paraense.

Mais de 500 famílias de 90% das 12 comunidades quilombolas da Serrinha, desde a comunidade do Flexal até a comunidade da Terra Preta, receberam a doação.

Na outra margem do rio Trombetas, a partir do quilombo de Jarauacá, outras 600 famílias de 20 comunidades quilombolas também foram apoiadas.

Segundo a ARQMO, 40% das mais de 2000 pessoas que moram nesses territórios foram infectadas pela COVID-19. Se recuperaram e se mantém isoladas em seus quilombos, recebendo assistência de saúde agendada por meio da Unidade Básica de Saúde Municipal de Oriximiná. Mas os quilombolas ainda perderam 2 pessoas vítimas de COVID-19 na região.

Desde o mês de maio, a justiça federal também proibiu o acesso fluvial e terrestre de embarcações não autorizadas pela ARQMO entre quaisquer territórios quilombolas porque entende que esse acesso potencializa a transmissão da COVID-19 entre essas comunidades.

As ações fazem parte do projeto de Mitigação de Impactos da COVID-19. O Programa Territórios Sustentáveis, representado pela Agenda Pública, com co-investimentos da Mineração do Rio do Norte, irá responder à COVID-19 nos municípios de Oriximiná, Terra Santa e Faro, no oeste do Pará. A representante do PTS irá desenvolver campanhas de comunicação de risco, distribuir cestas básicas, kits de higiene e máscaras para apoiar as populações vulneráveis a se protegerem e aprimorar os processos de saúde e vigilância em resposta à COVID-19, com foco nos hospitais e unidades de saúde locais.

A PPA Solidariedade

USAID, NPI Expand, a Plataforma Parceiros pela Amazônia (PPA) e a SITAWI Finanças do Bem se uniram para criar uma parceria para ajudar a combater a COVID-19 no Brasil. A “PPA Solidariedade: Resposta à COVID-19 na Amazônia é uma iniciativa que engaja o setor privado em parcerias estratégicas para alavancar soluções inovadoras e escaláveis para fortalecer a resposta rápida a emergências e ao combate a COVID-19. A iniciativa irá trabalhar com parceiros da sociedade civil e do setor privado em quatro linhas de ação: Mobilizar campanhas de comunicação sobre os riscos e o engajamento das comunidades em medidas de mitigação e proteção para enfrentar a COVID-19 e capacitar as comunidades vulneráveis e/ou isoladas para proteger-se contra a exposição e transmissão da COVID-19; Promover medidas de prevenção e controle de infecções pela COVID-19 em instalações de saúde e nas comunidades; Apoiar o sistema de saúde local (hospitais, postos de saúde e unidades/serviços de saúde comunitários) para responder e controlar a COVID-19 por meio de serviços de saúde e vigilância; Apoiar empreendedores, pequenos negócios de impacto social e startups, grupos de produtores e cooperativas com pequenos aportes financeiros, serviços de assessoria empresarial e acesso a empréstimos a juros baixos ou microcrédito.