APRESENTAÇÃO

Em novembro de 2019 a PPA promoveu o Seminário Parcerias do Setor Privado pela Conservação da Amazônia. O Seminário marcou o lançamento da PPA no estado do Pará e apresentou programação dedicada ao debate sobre as contribuições do setor privado para a conservação da biodiversidade amazônica. Com público de aproximadamente 200 pessoas reunidas na capital paraense para um dia de atividades, o Seminário reuniu representantes de empresas, organizações comunitárias, governos e organizações da sociedade civil para compartilhar experiências, construir parcerias e desenvolver agendas conjuntas a partir do setor privado atuante na região. Com palestra de abertura e quatro painéis temáticos, o evento promoveu diálogos sobre ações para promoção do desenvolvimento territorial, investimentos em negócios de impacto, fomento a cadeias de valor locais e promoção de usos socioambientais em áreas de reserva.

O Seminário Parcerias do Setor Privado pela Conservação da Amazônia teve suas emissões de carbono totalmente neutralizadas através do Programa Carbono Neutro do IDESAM. A compensação é feita através da recuperação de áreas degradadas na Reserva do Uatumã (veja o mapa na página do Programa Carbono Neutro), localizada no estado do Amazonas. Foram compensadas 38,86 toneladas de CO2 através do plantio de 108 e uma áreas de 1080 m² reflorestada.

PROGRAMAÇÃO

DEPOIMENTOS

“A PPA existe porque ela é construída a todo momento a muitas mãos. Mais que um evento, esse é um processo que atende múltiplos desafios da Amazônia.” João Meirelles, Diretor Geral do Instituto Peabiru.
“É uma oportunidade incrível para gerar ações coletivas, incentivo aos negócios e busca pela bioeconomia. Devemos cumprir o chamado com a força e o valor que temos”. Fábio Abdala, Gerente Regional de Sustentabilidade da Alcoa.
“O Instituto Humanize está na PPA porque acredita no poder das parcerias, do setor privado e do recurso filantrópico.”
Márcia Cortês, gerente de Sustentabilidade do Instituto Humanize.

SEÇÕES

Palestra de Abertura “Desafios da conservação na Amazônia e oportunidades de contribuição do setor privado”

Marcello Brito (CEO, Agropalma) deu o tom do evento ao abordar os desafios da conservação na Amazônia e as oportunidades de contribuição do setor privado. Lembrou dos problemas históricos da Amazônia tais como a falta de organização do uso do solo que favorece a grilagem e a insegurança jurídica fundiária, e a geração de pobreza e desigualdades resultante dos modelos degradantes e nocivos de desenvolvimento econômico. Por essa razão, destacou também a importância e urgência de uma atuação conjunta entre as empresas e organizações de sociedade civil criando rumos e caminhos para modelos de desenvolvimento sustentável, e o movimento da PPA que retoma boa expectativa e esperança para o país. O Brasil, com alto potencial ambiental e valor bioeconômico, é um país da floresta, da biodiversidade e do agronegócio.

“A bioeconomia é o maior trunfo na Amazônia e do Brasil. Se tem uma coisa que podemos vender caro são nossos recursos biológicos. O mundo vai se transformar muito pela biologia.” Marcello Brito, Presidente da Agropalma.

Painel Parcerias pelo Desenvolvimento territorial

O painel propôs o debate sobre as oportunidades de promoção do desenvolvimento territorial. Apresentou experiências de parcerias entre empresas, organizações públicas e comunitárias abordando os desafios e benefícios de arranjos multi-atores nos territórios de atuação. Contou com a participação de empresas e organizações sociais atuantes no mesmo território em falas conjuntas sobre a experiência de desenvolvimento territorial. O painel teve apresentação dos resultados do estudo “Investindo no Desenvolvimento – Modelos e Instrumentos para Aporte de Recursos Privados em Comunidades e Territórios” realizado pela PPA, que sistematizou casos, dados e análises capazes de demonstrar os limites e, sobretudo, as oportunidades que essas iniciativas apresentam para o engajamento de empresas.


Painelistas
Jeferson Santos, Mineração Rio do Norte – MRN
Gabriela Almeida, Associação das Comunidades Remanescentes de Quilombos do Município de Oriximiná
Rogério Ribas, Alcoa
Maria Raimunda da Silva, Instituto Juruti Sustentável
Eduardo Figueiredo, Hydro
Carol Ayres, Humana
Mediação: Bruno Gomes, Humana

Destaques

Entre as boas práticas para parcerias no desenvolvimento territorial foram destacadas:

  • Compreensão da dinâmica do território com diagnósticos integrados;
  • Efetivar a participação social no processo de construção das parcerias institucionais nos territórios;
  • Estrutura clara e sólida de governança das parcerias;
  • Coordenação com políticas públicas como alavanca de desenvolvimento duradouro e inclusivo;
  • Transparência nas contas como geradora de transparência nos diálogos.

Painel Investimento em negócios de impacto

O painel reuniu diferentes trajetórias com atuação em investimento privado e finanças sociais, além de empreendedores de negócios de impacto. Os painelistas realizaram um rico debate sobre ações do setor privado no investimento social, especialmente em oportunidades de fomento ao ecossistema de impacto através de apoio a novos empreendimentos que aliam sustentabilidade financeira com transformação positiva de indicadores sociais e ambientais.

Painelistas
José Mattos, Natura
Karen Baumgart, Grupo Baumgart
Joanna Martins, Manioca
Nick Oakes, Althelia
Fernanda Dativo, Sitawi Finanças do Bem
Mediação: José Mattos, Natura

Destaques e encaminhamentos

  • A PPA apoia negócios de impacto na Amazônia através de seu Programa de Aceleração, que seleciona empreendimentos para receber apoio e investimentos. Conheça os resultados e chamadas do Programa de Aceleração em http://aceleracao.ppa.org.br/.
  • O investimento em negócios de impacto se soma a outros dois modelos de fomento financeiro: à filantropia e ao Investimento Social Privado;
  • Os investimentos  em negócios de impacto aliam retorno financeiro à geração de impacto socioambiental positivo;
  • Na Amazônia, os empreendimentos locais enfrentam ainda obstáculos como logística, capacitação dos empreendedores, assistência técnica e questões fundiárias.

Painel Fomento a cadeias de valor de produtos amazônicos

O estímulo às cadeias produtivas locais foi o tema deste painel, que reuniu terceiro setor, empresas e representantes comunitários para debater as contribuições do setor privado às cadeias de valor de produtos amazônicos. O painel contou com diferentes segmentos produtivos discutindo as possibilidades de fomento às cadeias a partir de diversas áreas de atuação. Produtos florestais e agricultura, oportunidades da bioeconomia, compra de produtos e serviços locais pela indústria e outras especificidades das cadeias produtivas amazônicas foram discutidas. O painel contou ainda com apresentação da Prowa, organização responsável pela realização de estudo contratado pela PPA que traça o cenário de compras corporativas no estado do Pará pensando nas oportunidades que representam para fomento a cadeias locais.

Painelistas
Eduardo Trevisan, Imaflora
Elias Gomes, Beraca
Igor Póvoa, Vale
Márcia Côrtes, Instituto Humanize
Mariano Cenamo, Idesam
Raimundo da Silva, Associação dos Produtores e Produtoras Rurais da Agricultura Familiar do Município de Tome-açú
Mediação: Thaís Magalhães, Prowa

Destaques e próximos passos

  • A prática de priorizar compras locais ainda não ocorre de forma natural para muitas empresas, sendo necessários incentivo e apoio de terceiros;
  • As compras locais são frequentemente auxiliadas por intermediários importantes que geram valor para a relação de fornecimento;
  • Além de políticas de priorização e eventual flexibilização nas regras de aquisições por parte das empresas para abarcar pequenos produtores locais, há um trabalho importante na regularização e capacitação dos fornecedores para que atendam às demandas corporativas – ambos necessários para que a relação de compra se dê de forma satisfatória;
  • GT3 da PPA fará publicação em fevereiro de 2020 do estudo Compras Corporativas no Pará: Contribuições do setor privado ao fomento de cadeias de valor locais.

Painel Promoção de usos socioambientais em áreas de reserva

Aqui, foram abordados a relevância das reservas privadas para manutenção de biodiversidade em um cenário de degradação florestal, e o enorme potencial de uso dessas áreas como ativos sociais coletivos. Os representantes do setor privado compartilharam experiências em curso e iniciativas em diferentes campos com foco nas oportunidades de promoção de diálogo e parcerias que configurem contribuições significativas das empresas à conservação ambiental e ao desenvolvimento sustentável da região amazônica.

Painelistas
Fabio Oti, ICMBio
Fausto Camargo, Suzano
Ima Vieira, INIAMA/Museu Goeldi
Plinio Ribeiro, Biofílica
Zuleide Pereira de Sousa, Associação das Quebradeiras de Coco de Coquelândia
Mediação: João Meirelles, Instituto Peabiru

Destaques e encaminhamentos do painel

  • Importância da criação de reservas privadas, com usos sociais ampliados em atividades como ecoturismo, extrativismo sustentável e serviços ambientais;
  • Parcerias de gestão são fundamentais ao incremento da paisagem e dos benefícios sociais e ambientais de áreas de reserva privadas;
  • GT4 da PPA fará publicação em fevereiro de 2020 do estudo: Usos socioambientais de reservas privadas: Diagnóstico e perspectivas para a sustentabilidade de usos da terra.

PÚBLICO

PÚBLICO

RESULTADOS

Lançamento oficial da PPA no Pará

Ao final do evento João Meirelles (Diretor Geral, Instituto Peabiru), Bruno Gomes (Sócio-fundador, Humana), Domingos Campos (Diretor de CSR e HSE, Norsk Hydro) e Frederico Baião (Gerente de Desenvolvimento Territorial, Vale) destacaram a força da PPA como ambiente de grande troca de experiências, realização de estudos e ações em parceria para a catalisação do crescimento sustentável e do desenvolvimento da Amazônia como pauta central. A mudança efetiva será dada através da ação conjunta entre o setor privado, organizações de sociedade civil e o poder público. Ao final, Bernardo Rica (Administrador Assistente Adjunto para a América Latina e o Caribe, USAID) agradeceu a presença de todos os participantes. Reforçou quão fundamentais são as ações conjuntas para alcançar o desenvolvimento sustentável e autonomia das populações amazônicas e afirmou que, para a USAID, a PPA é exemplo de política de engajamento privado, representando um novo caminho cada vez mais reconhecido no Brasil e nos EUA., . Rica encerrou valorizando as ações dos dois anos da PPA – que, segundo ele, vem inspirando outras novas iniciativas e apoiando o difícil desafio da promoção do crescimento do PIB e da proteção da floresta e sua diversidade -, e celebrou a Plataforma Parceiros pela Amazônia PPA no Pará.

Lançamento Althelia Biodiversity Fund Brazil (FIP)

A Mirova Natural Capital Ltd, gestora de ativos, lançou oficialmente no evento o fundo “Althelia Biodiversity Fund Brazil”, apresentando seu plano de captação de R$400 milhões, tendo sido captados já R$62 milhões com o objetivo de realizar investimentos para a conservação na Amazônia Legal, impactando positivamente a biodiversidade e as comunidades locais (através de instrumentos financeiros como empréstimos e participações societárias).

Estudos

A PPA no Pará conduziu a realização de três estudos técnicos. O primeiro deles, Investindo no desenvolvimento – Modelos e instrumentos para aporte de recursos privados em comunidades e territórios, foi publicado no evento e está disponível para acesso clicando aqui.

Outros dois estudos tiveram seus resultados apresentados e serão publicados em breve pela PPA:

> Práticas para o desenvolvimento sustentável de cadeias de valor no contexto do Pará;
> Usos socioambientais de reservas privadas: Diagnóstico e perspectivas para a sustentabilidade de usos da terra.

Avaliação do evento

Mais de 90%
dos participantes que avaliaram o evento o consideraram bom ou ótimo.

O evento superou minhas expectativas com conteúdo relevantes, casos e projetos interessantes e uma grande interlocução entre atores já atuando no estado”
Suelma Santos, Dow.
Vi uma mensagem muito clara de fomento da cooperação entre entes privados em prol de um bem comum e coletivo.
Mário Alves, Nelson Wilians & Advogados.

O engajamento do setor privado é essencial para avançarmos num modelo de desenvolvimento mais sustentável na Amazônia. Sem mexer nos vetores da economia será impossível. E já temos alguns exemplos nesse caminho. A PPA é um ótimo espaço para pensar colaboração dos diferentes atores.
Márcia Soares, Fundo Vale.